domingo, 23 de julho de 2017

JACARÉ

As crianças gostaram muito da música do jacaré e virou até brincadeira de pega-pega no parque.  Aproveitei o interesse da turma e  desenvolvi esta atividade do link abaixo:


Primeiramente desafiei-os na oralidade a  elaborar hipóteses sobre a escrita. Como será que se escreve jacaré? após a discussão o registro escrito com auxílio do ditado.
Objetivo: Ampliar os conhecimentos sobre o sistema de escrita, trocando experiências e discutindo a grafia das palavras.




Professora: Cristina Momoli

quarta-feira, 19 de julho de 2017

VIVÊNCIAS NO PRÉ III Prof.ª Cristina Momoli: O INÍCIO DA ESCRITA

VIVÊNCIAS NO PRÉ III Prof.ª Cristina Momoli: O INÍCIO DA ESCRITA

VIVÊNCIAS NO PRÉ III Prof.ª Cristina Momoli: DESENHO

VIVÊNCIAS NO PRÉ III Prof.ª Cristina Momoli: DESENHO

O INÍCIO DA ESCRITA

Favorecer práticas de escrita, socializar ideias e informações, explicar, argumentar suas ideias e pontos de vista.
O desenho é o início do processo da escrita e é uma forma de registrar. A criança ao ser questionada sobre seu desenho tem também a oportunidade de desenvolver a linguagem.


A linguagem e o desenho constituem o mais seguro caminho para atingir-se à estrutura do pensamento infantil a marcha do seu raciocínio, as formas de sua lógica. O desenho é o momento da evolução mental da criança, que completa a linguagem e anuncia o próximo advento da criança (FONTOURA, 1972, p.252).

Professora: Cristina Momoli

REFERÊNCIAS

FONTOURA, Amaral. Psicologia educacional: A escola viva. Rio de Janeiro: Aurora, v. 5, 1972.

DESENHO

Oportunizar a liberdade de expressão: explorar, experimentar e envolver-se na criação.

Autora: THAYNARA LUANY
Desenho livre: Escola, professoras e colegas da sala.

IZADORA: Fazendo uso do Cantinho de faz de conta com  papel e canetas coloridas.

CRISTIANO LUCAS E HENRIQUE GABRIEL Desenho com tinta na  Cerâmica. 


HENRIQUE GABRIEL Descobrindo novas cores, através das misturas.


HENRIQUE GABRIEL E GABRIEL Trocando ideias. - Faz assim - diz Gabriel.
- Não, não é pra fazer assim - disse Henrique Gabriel

HENRIQUE GABRIEL Está empolgado com as descobertas das misturas das cores.


HENRIQUE GABRIEL E ARTHUR FELIPPE
O desenho infantil é um instrumento que favorece o desenvolvimento pleno da criança promovendo uma aprendizagem significativa. Para isso, ela precisa ter liberdade para fazer uso de sua criatividade. Ter liberdade para escolher o que vai registrar a cor que vai utilizar para pintar ou desenhar.

Para criar, a criança precisa ter liberdade emocional para explorar, experimentar e envolver-se na criação que pretende realizar, a criança que se sente reprimida em seus trabalhos pode limita-los, pois se sentirá inibida ao criar. A arte de desenhar não pode se tornar algo imposto por alguém, deve partir da vontade de seu criador, para que consiga expressar-se por meio dela. Induzir a criança ao uso de determinadas cores ou formas em seus desenhos, faz com que deixe de usar sua criatividade. (SOUZA, 2012, p.30).

Trago como abordagem reflexiva de que o professor deve deixar as crianças explorar o meio em que está inserido dentro e fora da sala de aula, criando rodas de conversas, produções de desenhos, usando canetinha, giz de cera, tintas e colagem, o professor estará contribuindo para uma prática diferenciada, reconhecendo a “criança” como ela é, ou seja, como um ser completo, se desprendendo de vestígios do passado e oportunizando essa criança. (SILVA, 2016, p.2).

Professora: Cristina Momoli

REFERÊNCIAS

SOUZA, Maria Previato. Metodologia da alfabetização. Maringá – PR: Centro Universitário de Maringá, 2012.

SILVA, Gisele Costa. O desenho da criança na Educação Infantil. Disponível em: http://sinop.unemat.br/projetos/revista/index.php/eventos/article/viewFile/2555/1868. Acesso em: 19 jul. 2017.


domingo, 16 de julho de 2017

DICA DE FILME SOBRE EMOÇÕES


ESTE FILME É ÓTIMO PARA  ASSISTIR COM AS CRIANÇAS.
ELAS VÃO SE IDENTIFICAR COM OS PERSONAGENS E COMPREENDER SUAS REAÇÕES FRENTE AOS DESAFIOS QUE ELAS ENCONTRAM NO DIA A DIA. APÓS O FILME PROMOVER DISCUSSÃO SOBRE AS EMOÇÕES.


ALEGRIA

EMOÇÕES

PROJETO: O QUE SERÁ QUE TEM NA BARRIGA DO MARCELO?

LIVRO: TENHO MONSTROS NA BARRIGA.  AUTORA: TONIA CASARIN
- Conhecendo o monstrinho da Alegria; 
- Roda de conversa sobre a Alegria;
- Desenhar com tinta guache o monstrinho da Alegria.




IZADORA

KIMBERLLY LUANA

ARTHUR FELIPPE

MARIA LUIZA

JULIA NEZZI


Professora: Cristina Momoli


PROJETO: O QUE SERÁ QUE TEM NA BARRIGA DO MARCELO?

- Identificar as emoções: alegria, Tristeza, Raiva, Medo, Coragem, Curiosidade, Orgulho, e Ciúmes;

- Desenvolver as habilidades de expressar-se através do diálogo, da música e das artes.




Professora: Cristina Momoli

sexta-feira, 14 de julho de 2017

VIVÊNCIAS NO PRÉ III Prof.ª Cristina Momoli: PULAR CORDA.

VIVÊNCIAS NO PRÉ III Prof.ª Cristina Momoli: PULAR CORDA.

PULAR CORDA.



Objetivos: Explorar ideias referentes a números (contagens e sequência numérica), medidas (noção de velocidade, tempo, altura e distância) e geometria (discriminação visual e percepção espacial).


As brincadeiras com corda oferecem intenso exercício físico e ajuda no desenvolvimento de habilidades motoras, sincronização de movimentos e atenção. Mais do que exercitar o corpo e se relacionar com o grupo, a brincadeira com corda leva a criança compreender sua ação e a desenvolver o pensamento lógico-matemático através de relações espaço-temporais.

Professora: Cristina Momoli

REFERÊNCIAS

SMOLE, Kátia Stocco; CÂNDIDO, Patrícia; DINIZ, Maria Ignez. Brincadeiras infantis nas aulas de matemática. Porto alegre: Artmed, 2000. )


terça-feira, 4 de julho de 2017

VIVÊNCIAS NO PRÉ III Prof.ª Cristina Momoli: BRINCANDO COM SUCATA

VIVÊNCIAS NO PRÉ III Prof.ª Cristina Momoli: BRINCANDO COM SUCATA

BRINCAR

 Colocando o preço. 


Comprou tem que pagar...


Fazendo as contas do que gastou...


Organização...


Gerente operador do caixa.



Para Vygotsky Brincar é permitir que a criança aprenda a elaborar e resolver situações conflitantes que vive nos seu dia a dia.

Esta brincadeira é riquíssima de conflitos geradores de oportunidades e aprendizagens. Todos querem ser dono do mercadinho, querem ser dono de todas as sucatas, querem ter mais dinheiro que o colega e querem ser o gerente. E, ninguém está disposto a esperar a vez, ceder, ou até mesmo, compartilhar o brinquedo e brincar junto.  Este impasse faz gerar as oportunidades:

- de comunicar, questionar, interagir com os outros e ser parte de uma experiência social mais ampla em que a flexibilidade, a tolerância e a autodisciplina são vitais; (MOYLES, 2002, p.36).

Neste sentido, a brincadeira desenvolve as aprendizagens de conviver, de se relacionar com os conflitos que surgem no ambiente através do diálogo.

Professora: Cristina Momoli

MOYLES, Janet R.; Tradução Maria Adriana Veronese. Só brincar? O papel do brincar na educação infantil. - Porto Alegre: Artmed, 2002.

FUMAÇA?